sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

O coqueiro encantado

      Muito longe daqui, numa pequena povoação, vivia antigamente um pobre padeiro. Esse padeiro tinha um filho. Roberto era o seu nome , mas todos o conheciam por Betinho. Direi que Betinho era um menino esperto, obediente e trabalhador.
         Um dia, Betinho, depois de fazer sua tarefa (arrumar a casa e varrer o quintal), foi dar um passeio por uma grande mata que havia perto de sua casa.Ora, junto da estrada, havia um velho coqueiro. Notou Betinho que o coqueiro estava cheio de formigas.
         -Que pena -pensou Betinho - essas formigas são bem capazes de matar esse coqueiro.
          E, apanhando dois galhos secos, começou a bater nas formigas e tanto bateu, tanto bateu, que elas fugiram. Quando Betinho havia acabado de salvar o coqueiro, livrando-o das formigas, ouviu vozes no meio da mata. Que seria?
          Betinho era curioso e resolveu espiar. Foi bem devagarinho, pé ante pé, escondeu-se atrás de uma árvore e espiou. Era de assustar o mais valente. Debaixo de uma grande figueira avistou Betinho uma mulher, muito velha, vestida de preto com uma vassoura na mão. Compreendeu Betinho que a velha do vestido preto era uma feiticeira. E diante dela estavam três bichos: um macaco, um porco e um tatu. A feiticeira falava:
Lá, lá, lá,
Vamos começar.
Lá, lá, lá,
Vamos começar!
             E, nisso, o macaco apontou para o lugar em que se achava o Betinho:
             - Rum! Rum! Rum!
             A feiticeira voltou-se e avistou o vulto de Betinho. E gritou furiosa: 
             - Vamos agarrar aquele menino! 
             Ao ouvir aquelas palavras, Betinho correu para a estrada e, mais que depressa, subiu no coqueiro.A feiticeira chegou junto do coqueiro e gritou alto:
Desce coqueiro
que eu quero
pegar o filho do
padeiro!
            O coqueiro foi diminuindo, diminuindo, mas quando a velha de preto ia agarrar o Betinho, ele, tremendo de susto, implorou:
-Sobe coqueiro
que eu te livrei
do formigueiro!
             O coqueiro, ao ouvir a voz do menino, cresceu, cresceu, cresceu e levou o menino lá para cima. A feiticeira gritou:
-Desce
c oqueiro
que eu quero
pegar
o filho do padeiro.
             O coqueiro foi diminuindo, diminuindo, até ficar deste tamanhinho. Mas quando a feiticeira ia agarrar o Betinho, este, assustado gritou:
-Sobe coqueiro
Que eu
te livrei
do formigueiro!
             O coqueiro, ao ouvir a voz do seu amigo, cresceu, cresceu, cresceu, ficou tão alto, que o menino, lá em cima, parecia pequenininho.Vendo a feiticeira que não conseguia agarrar o menino (pois o coqueiro descia e subia de novo) chamou o macaco de disse-lhe:
-Vem macaco
Matreiro
sobe no coqueiro
e traz de lá de cima
o filho do padeiro.
            O macaco resolveu subir no coqueiro, mas quando chegou no meio do coqueiro este começou a tremer, a tremer tanto que o macaco caiu, de quatro no chão. A feiticeira, furiosa, bateu com a vassoura no macaco e o macaco fugiu para o mato. A feiticeira chamou, então, o tatu:
-Vem tatu
do salseiro
derruba
este coqueiro
e tira lá de cima
o filho do padeiro.
            O tatu começou a cavar o chão para derrubar o coqueiro. De repente uma raiz do coqueiro saiu de dentro da terra, bateu com tanta força no focinho do tatu, que o tatu rolou tonto pelo chão no meio das pedras e depois, roncando de dor, fugiu para o mato.Então a feiticeira chamou o porco:
-Vem porco
porqueiro
derruba
este coqueiro
e tira lá de cima
o filho do padeiro.
             O porco quis roer o pé do coqueiro, mas o coqueiro tinha a casca tão grossa que quebrou os dentes do porco. E o porco grunhindo de dor, fugiu para o mato.A feiticeira, vendo que não conseguia agarrar o menino, começou a atirar pedras e mais pedras. O coqueiro, porém, balançava de um lado para o outro, de modo que a feiticeira não acertava no Betinho. 
             Mas Betinho, com aquele balanço, estava ficando tonto e já estava cansado. Vendo que o coqueiro era seu amigo, disse baixinho:
-Coqueiro
coqueirinho
meu amiguinho
só de brincadeira
atira um coquinho na feiticeira.
               Ora, o coqueiro largou, lá de cima, um côco e acertou bem no cocuruto da feiticeira. O côco fez: "Pum!". E saltou para cima como uma bola! A feiticeira soltou um grito e fugiu para o mato e nunca mais apareceu. Aí, então, o coqueiro foi-se abaixando, abaixando, e Betinho saltou para o chão. 
               E desse dia em diante, tornou-se Betinho amigo não só do coqueiro como de todas as árvores, pois ele sabia bem que as árvores , boas, são úteis e protegem os meninos.

Fonte: A Arte de Ler e Contar Histórias de Malba Tahan, Editora Conquista, 1961

Um comentário:

Anonymous disse...

Que linda história!!!!
Com certeza vai ser uma das que irei contar pra minha sobrinha!
Parabéns!!!